Senac

Rio Grande do Sul

Artigo

Ser cringe ou não ser cringe?

por Vivian Corrêa da Silva - Docente de Inglês do Senac Farroupilha e Tradutora e Geração Millenial

William Shakespeare, escritor, ator e poeta inglês, contribui com mais de 2 mil palavras ao idioma inglês com suas peças teatrais e, até hoje, é lembrado pela frase “to be or not to be?” (ser ou não ser?), retratada na peça ¨Hamlet¨. Hoje o Inglês continua se reinventando e anualmente novas palavras são inseridas em seus dicionários.

Qualquer língua é algo vivo que se adapta, se reinventa, se renova e recebe influências de outras. Isso, é claro, acontece também com o português. Novas palavras são adicionadas todos os anos. Para quem costuma utilizar as redes sociais, deve ter percebido uma palavra muito utilizada ultimamente, resgatada por uma faixa etária bem jovem - o tal do cringe.

Cringe foi incorporado às redes sociais dos brasileiros pela geração Z (também chamados de pós Millenials ou ¨nativos digitais¨) para descrever algo como ¨mico¨ ou ¨vergonha alheia¨, em que os jovens dessa última geração julgam o modo de vestir, rotina, gostos musicais e até emojis que a geração anterior a eles, a geração Y (ou Millenials), utilizam. Essa disputa entre gerações não originou no Brasil, mas sim nos Estados Unidos, no início deste ano.

A palavra cringe, em inglês, é, na verdade, um verbo (to cringe). Virou gíria nos Estados Unidos e inundou a internet por aqui também. Para a Geração Z, muita coisa é cringe. A expressão foi importada por nossos jovens que acham, por exemplo, que tomar café da manhã, ouvir rock e falar que tem boletos a vencer no dia 10, é cringe.

Até os emojis de risada estão sendo julgados. As divertidas carinhas amarelas estão sendo rejeitadas e, para a Geração Z, o emoji é o novo ¨rs rs¨ ou ¨risos¨ e a moda é utilizar o KKKKKKKKKKKK (maiúsculo mesmo) ou ainda uma fila de letras digitadas aleatoriamente em caixa alta no teclado, algo como HGDKHGDLHGDF. É a risada que não é cringe, ou seja, não é mico! Algo discutível, pois o KKKKKKKKKKKK é muito antigo!

Os estudos sobre quem é de qual geração pode variar de país para país, assim como uma pessoa pode ser da faixa etária de uma geração, mas se identificar e se comportar conforme outra. A Geração Y, ou Millenials, compõem aqueles nascidos entre 1980 a 1994. Já a Geração Z, os nascidos a partir de 1995. Quem sabe essa última geração não será mais conhecida por ¨cringeiros¨?

Serviços da escola
Serviços do Senac-RS
Acessos
Serviços
Institucional
Contato
Top of mind 2018
Top de marketing ADVB 2018
Great Place to Work 2018
Top Ser Humano 2018
Nós apoiamos o Pacto Global
Melhores em Gestão 2018
Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade para melhorar sua experiência em nossos sites e personalizar a entrega de conteúdo do seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com essas condições.